sexta-feira, 6 de junho de 2014

IT: e que tudo acaba


Os últimos tempos têm-se mostrados agridoces. Ao contrário do que acontece aos outros, para mim são raros os segundos de contentamento por "finalmente" o curso ter chegado ao fim. Até me custa entender essa gente, quem consegue estar feliz por partir. Para mim tem sido muito difícil lidar com isto. Desta vez o fim do semestre não foi mau por ter quilos de frequências e trabalhos amontoados em cima uns dos outros porque (em bom português, desculpem...) para essas merdas eu já me estava pouco lixando com um F grande. Mas sim pelo simples facto de ser o fim. Percebam que já não vou ter para onde ir todos os dias depois de acordar, como tive durante 3 anos. 3 anos em que fui caloira, levei com o choque pós-secundário/pré-faculdade, ouvi a Balada a primeira vez, fui apadrinhada, vesti o traje. Foram copos e garrafas. Estagiei. Recebi caloiros. Frequências, trabalhos, professores difíceis, cadeiras incompreensíveis, línguas trabalhosas, aulas custosas. Conheci o meu país. Aprendi muito a nível pessoal e académico. Fui finalista. E "agradecerei até morrer." por todos estes momentos e a todos os que me acompanharam. Para quem me conhece bem, nem sempre é acessível para mim aquele sentimento de estar completa. Falta-me sempre algo. Nos últimos três meses, isso tem estado ao meu alcance. Na ESHTE sinto-me em casa, pertenço ali. Consegui deitar algumas mágoas para trás da costas e perceber que a vida está feita para se viver no presente sem estarmos agarrados ao passado. Dou-me às pessoas que têm sido maravilhosas, dou-me a conhecer, quero conhecer. Saio de casa para fora da minha zona de conforto. E tenho, sem me aperceber, sido feliz. Vários têm sido os meus "break-downs" nos últimos dias. O tempo está esgotou-se e choro. Pois estes têm sido os dias da minha vida e está tudo a fugir-me por entre os dedos, once again. Sei que os verdadeiros ficam mas também sei que agora estou perdida. Sinto-me, literalmente, como uma criança a quem deram um doce e logo o tiraram. Tinha que acabar agora? Há que continuar e empurrar o barco. Volto a querer chorar e páro aqui apesar de querer continuar a escrever-vos.

Deixo-vos com a nossa Balada do Eshtudante, cantada na minha Benção das Pastas/Queima das Fitas.



(assim que fizeras correcções que os profs de ICN querem que façamos no itinerário, eu tenho uns posts preparados com fotos do curso! Prometo ser breve!)


2 comentários:

TySh disse...

tonta que me fizeste chorar.
foi um projecto de vida que começou e foi acabado e agora uma pessoa fica perdida sem saber o que fazer, mas o que é facto é que temos que encontrar a nossa direcção para continuar, não podemos ficar nisto. é isso que dói. seguir em frente sabendo que se calhar já não vamos ver as pessoas que queremos... =(
mas se quisermos muito a gente contacta-se e vemo-nos mesmo =)
agora só sobre nós, nunca pensei que a nossa amizade chegasse a ser tão "profunda" pois a nossa própria amizade foi agridoce. Até fiquei chocada com o facto de que me reconheceste mas nem disseste nada e passaste à frente disfarçadamente e só agora é que me deste a entender que sabias quem eu era e deste-me o benefício da dúvida (disso também não estava à espera). Estou mesmo muito feliz pela nossa amizade <3 da maneira como ela foi resolvida. Daqui para a frente é só melhorar. ahaha

Ana Fonseca disse...

ainda me faltam pelo menos mais quatro anos eheheheh vem para aqui continuaaar :D