terça-feira, 7 de outubro de 2014

2 months later


Seremos sempre assombrados por um passado mas quando há que agir é importante que os fantasmas sejam postos na beira do prato. Isto quando se trata de encontrar um amor, de socorrer um velho amigo, de fazer pela família. Sabendo que o passado está mais do que nas nossas costas, há sempre alguém ou algo que faz com que não nos sintamos capazes de escapar dele. Quando este vem pedir por ajuda ou quando nós vamos pedir-lhe ajuda, será que sempre lhe viramos as costas e somos os heróis dos nossos capítulos futuros? Ou será que também podemos ser manipulados pelas inevitáveis e insuportáveis dor e mágoa? Tão inseparáveis que elas são... tanto de uma da outra como de nós. A dúvida continua mas há certezas. Certezas de que apesar de haver um incontável número de coisas que nos acontecem por acaso, outras acontecem por lhes abrirmos portas para que aconteçam, inconscientes ou lúcidos disso. Sem nos voluntariarmos para isso ou plenamente voluntários. 

Sem comentários: